TÍTULO OUTORGADO EM 11/08/2010.
BLOG ATIVADO EM 28/11/2010.

O BRASÃO - Reg FBN 599.441

DESCRIÇÃO DO BRASÃO

**TOP BANNER: O Título Honorífico ► Barão de Burity ◄

**Encimando o ELM:

• ► O Pelicano ◄– indicando o amor e a caridade ao próximo.

**CHEST:

•► Um buritizeiro ◄ – em alusão à genealogia do nome.

•►Uma ampulheta ◄ – em alusão ao tempo que voa e a vida humana que se escoa, semelhante ao cair da areia.

•► Uma âncora ◄ – como emblema de uma esperança bem fundamentada e de uma vida bem empregada.

** BOTTON BANNER – a expressão latina Nulla dies sine linca ◄ – lema de Plínio – Representativa da vontade para que não se passe um dia sem escrever alguma coisa.

*AS CORES

Branca e vermelha

• ► Branca ◄ – em alusão ao triunfo dos eleitos e dos anjos.

• ► Vermelha ◄ em alusão ao zelo.

►◄►►◄►◄◄►◄

(Idealizado pelo condecorado)



Um brasão (brasão de armas ou cota de armas), na tradição européia, é um desenho especificamente criado - com a finalidade de identificar indivíduos, famílias, clãs, cidades, regiões ou nações.

►◄►►◄►◄◄►◄

A partir do século XIX, com a ascensão ao Poder da Burguesia e o declínio da Aristocracia, o Brasão foi perdendo a sua importância.

►◄►►◄►◄◄►◄
CRÉDITO DE IMAGENS.
Algumas obtidas na internet e alteradas com programa de edição de imagem.
Visualizar

A vida é uma jornada interessante, você nunca sabe onde ela te leva. Tropeços e valores. Reviravoltas. Você fica surpreso com sua vida. Às vezes, no caminho que você está seguindo, você pode pensar: "Este é o pior momento da minha vida".
Mas quer saber ? No final do caminho, das diversidades mais difíceis, para você conseguir o que você quer ser, você se lembra que o que não te mata o torna mais forte. E agora as diversidades não importam. Na espera para atingir o topo
você faz qualquer coisa. Mais alto que você queira que a tua vida esteja, mais alto você tem que ir. Sim, é meu dilema ! O que você tem que fazer para chegar mais longe em sua vida, é começar a olhar para o que você tem e agradecer o que você conseguir. Faça isso ! A vida é uma jornada, não um aleatório destino.
Ontem egresso da Baixada Fluminense... Um ex-Marujo... Hoje, de bem como a vida - acordado e energizado - acima de tudo agradecido a Deus por tudo que tenho e sou. Não há como renegar as minhas origens. Quem renega as suas origens, nega a si mesmo.

Visualizar

CURRENT MOON

Palavras de Nelson Madela

Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião.
Para odiar, as pessoas precisam aprender e, se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar.

►◄►►◄►◄◄►◄

Palavras de C. Chanel

"O mais corajoso dos atos é ainda pensar com a própria cabeça."

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

ÂNIMO

Ânimo
Não desanimes. Persiste mais um tanto.
Não cultives o pessimismo.
Centraliza-te no bem a fazer.
Esquece as sugestões do medo destrutivo.
Segue adiante, mesmo varando
a sombra dos próprios erros.
Avança ainda que seja por entre lágrimas.
Trabalha constantemente. Edifica sempre.
Não consintas que o gelo do desencanto
te entorpeça o coração.
Não te impressiones à dificuldade.
Convence-te de que a vitória espiritual
é construção para o dia a dia.
Não desistas da paciência.
Não creias em realização sem esforço.
Silêncio para a injúria.
Olvido para o mal.
Perdão às ofensas.
Recorda que os agressores são doentes.
Não permitas que os irmãos desequilibrados te
destruam o trabalho ou te apaguem a esperança.
Não menosprezes o dever que a consciência
te impõe. Se te enganaste em algum trecho
do caminho, Reajusta a própria visão e
procura o rumo certo.
Não contes vantagens nem fracassos.
Estuda buscando aprender.
Não se voltes contra ninguém.
Não dramatizes provações ou problemas.
Conserva o hábito da oração para que
se te faça luz na vida íntima.
Resguarda-te em Deus e persevera no trabalho
que Deus te confiou.
Ama sempre, fazendo pelos outros
o melhor que possas realizar.
Age auxiliando. Serve sem apego.
E assim vencerás.
 
(Francisco Cândido Xavier)

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

PRAZER DE ESCREVER

osto da vida rural. Mas a  metrópole oferece "melhores" condições físicas e geográficas à minha sobrevivência.
 
rocuro viver longe e isento de preconceitos que a vida nas grandes cidades impõe.

o mundo atual o dinheiro é tido como medida de todas as coisas.

 vida e a esperança, para mim, ainda, não se esgotaram. 
   
á tive medo de fracassar e fracassei. Na atualidade o meu medo é diferente... Encontrei que no meu inconsciente existe em atividade, relevante ou não, aplicável ou não,
a égide absoluta do ser que sou e a capacidade de resistir à irreversível
fragilidade que a marcha inexorável dos anos impõe...
 
 ontinuo a manter a Fé e aprimorando a capacidade de resistir na trincheira dos sonhos... Mudanças, ainda, acontecem...
Evoluo. Sim! Enquanto há vida tudo é possível aos fortes e fracos.
 
 ão peçam para explicar minhas palavras. Por favor, entendam não tenho formação
em psicologia e nem filosofia.
Simplesmente, nos encontros, desencontros e devaneios
deixo-me transitar...

ão entendam minhas palavras como suposições que me conduzam pela trilha do desespero ou no trafegar pelos tortuosos caminhos do livre arbítrio.
Livre arbítrio que de livre nada tem.
 

eu Deus! A sirene da falência da matéria que compõe o meu corpo tocou é hora de agradecer  a ELE por tudo que tenho e sou.
Afinal, um fortuito olhar para o lado ou para trás ficarei estupefato  com o que visualizarei...
 
screver é como vasculhar no velho baú (consciente)  num ir e vir de sentimentos e encantos onde nos apropriamos (inconscientemente)
de nossas inventividades oriundas do prazer de escrever.
 
 
 
 
 

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

... A ARTE DO ENCONTRO, EMBORA HAJA TANTO DESENCONTRO ...

 
 
Ruth de Aquino
É jornalista colunista da Revista Época
com mestrado em Mídia na London School of Economics.
As colunas de Ruth de Aquino em geral tratam de assuntos polêmicos destacados por ela, com base no noticiário da semana ou em observações suas atemporais.
 
■■■
 
Vivemos numa sociedade caótica, onde os seres humanos são movidos pela ambição do "cada vez mais", pela competição exacerbada, digladiando-se como animais irracionais (selvagens), esquecendo-se dos reais valores que devem mover o mundo. Dito isto, saindo do poético/utópico voltando os olhos para a vida real, lendo a  Revista ÉPOCA - 18 de novembro 2013 Nº808 deparei-me na página 114 com o a matéria escrita por RuthdeAquino
intitulada QUEM SÃO OS WHITE BLOCS.
 
■■■
No meu entendimento Ruth de Aquino, com muita propriedade, aborda o tema proposto que encontramos disponibilizado na internet  no link:
 
 
Na leitura lembrei-me como os seres humanos não sabem viver sem as máscaras. Lembrei-me  mais...
das palavras, por mim,  escritas no livro Reg. FBN 401.883 Livro 749 Folha 13 - UMA CONVERSA DIFERENTE - página 32 na qual abordei A MÁSCARA. - Edição virtual - 2008. http://www.slideshare.net/elvandroburity/uma-conversa-diferente
 
Infelizmente, somos verdadeiros reféns da violência da sociedade, da marginalidade, dos preconceitos., das arbitrariedades e desmandos... Vivemos ladeados da síndrome do pânico e da falência dos valores que devem compor o cardápio da cidadania e dos direitos individuais. É constrangedor e, às vezes, apavorante constatar as ações perpetradas por alguns seres humanos. Pior é verificar o cinismo da inocência alegada  inocência.
 
■■■
 
Lendo o artigo de Ruth de Aquino no meu peito explodiu um calor de ondas que, em muito, excitaram a minha capacidade de entendimento  de algumas verdades. Verdades que pessoas não querem enxergar ou por estarem movidas por interesses inconfessáveis que posam no pedestal do nada vi, nada ouvi, nada sei, nada chegou ao meu conhecimento - Fingem-se de alienadas.
O artigo de Ruth de Aquino tem o mérito de ser: - Um grito de alerta para o fato de que: - OS WHITE BLOCS ELES USAM MÁSCARA, USAM TERNO, POSAM DE INOCENTES E SÃO MOTIVADOS PELA CERTEZA  DA IMPUNIDADE.
 
■■■
 
O que me incomoda é constatar a grave crise moral e ética que grassa em nosso Brasil. Infelizmente, algumas autoridades não lembram da velha frase que diz: "Quando quem manda perde a vergonha, quem obedece perde o respeito".
Vislumbro que a maioria do povo convive com a miséria e não desfrutam do convívio de alguns benefícios expressos  no Artigo. 6º  da Constituição do Brasil que teve a redação ampliada pela Emenda Constitucional nº 26/2000. http://cfederalcf.blogspot.com.br/2007/03/artigo-6.html
 
Infelizmente, as minhas palavras não mudam o passado, o presente nem tampouco o futuro. Vim ao mundo sem manual de instrução, sem validade e sem garantias. Diferentes estímulos remetem-me ao escrever, com movimentos aleatórios sobre isto ou aquilo. Mesmo sem um detonador que faça  minha adrenalina subir ou correr solta, mesmo que eu  não perceba: - Tudo  está aí, ali, presente, escondido nos meandros de uma marcante hipocrisia social. Olhando de soslaio escrevo desafiando o meu poder de pensar e decidir. Além destas imagens que me deixam estarrecido, ouço especialistas  em todas as áreas que nada explicam... Tudo blábláblá que perturba a paz e agridem os meus direitos  de cidadão e a minha capacidade de entendimento... Tenho a sensação de que  estou em um teatro, num terrível e trágico teatro, que a todos perturba. Afinal queremos mudar o que?  Muitas vezes mudo meu comportamento por imposições circunstanciais e acabo me prejudicando ou dizendo: - Eu era feliz não sabia. Consequentemente, desejo sabedoria e honestidade de propósitos para aqueles que, ainda, não se deixaram contaminar ou se levar pelas deletérias falácias palacianas...
 
Black...White...
Ruth de Aquino terminou aquele artigo com: - "Parei no 10 porque a página acabou."
 
 
Por meu turno, terminando, cito Vinicius de Moraes:
 
"A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida."

 
                            
(Figura obtida na internet http://colegioportinari.com.br/blog2/?p=1527
e, posteriormente, trabalhada em programa de edição de imagens).

■■■
 
Por último e derradeiro, agradeço a Jornalista Ruth de Aquino que prontamente e gentilmente respondeu a mensagem (e-mail) por mim remetida. Obrigado pelas orientações.
Desejo sucesso nos seus louváveis empreendimentos!
 

terça-feira, 12 de novembro de 2013

DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA...

 
Transcrição de texto recebido de Tomas Souto de Araújo (por mensagem eletrônica) - Autoria do Prof., Gabriel Santos (DF-GOB)
 
 
"O que significa dignidade da pessoa humana?    
  

A dignidade é essencialmente um atributo da pessoa humana: pelo simples fato de "ser" humana, a pessoa merece todo o respeito, independentemente de sua origem, raça, sexo, idade, estado civil ou condição social e econômica.
 

Muito se tem usado a expressão "dignidade da pessoa humana" para defender direitos humanos fundamentais, mas sem se chegar ao âmago do conceito e seus corolários iniludíveis. Daí a invocação da expressão em contextos diametralmente opostos, para justificar seja o direito à vida do nascituro, seja o direito ao aborto. Diante de tal paradoxo, mister se faz trazer alguns elementos de reflexão sobre realidades e sofismas na fixação de um conceito de "dignidade da pessoa humana" que sirva de base sólida à defesa dos direitos essenciais do ser humano, sob pena de deixá-los sem qualquer amparo efetivo e, por conseguinte, sem garantia de respeito.
A dignidade é essencialmente um atributo da pessoa humana: pelo simples fato de "ser" humana, a pessoa merece todo o respeito, independentemente de sua origem, raça, sexo, idade, estado civil ou condição social e econômica. Nesse sentido, o conceito de dignidade da pessoa humana não pode ser relativizado: a pessoa humana, enquanto tal, não perde sua dignidade quer por suas deficiências físicas, quer mesmo por seus desvios morais. Deve-se, nesse último caso, distinguir entre o crime e a pessoa do criminoso. O crime deve ser punido, mas a pessoa do criminoso deve ser tratada com respeito, até no cumprimento da pena a que estiver sujeito. Se o próprio criminoso deve ser tratado com respeito, quanto mais a vida inocente.
Com efeito, a ideia de dignidade da pessoa humana está na base do reconhecimento dos direitos humanos fundamentais. Só é sujeito de direitos a pessoa humana. Os direitos humanos fundamentais são o "mínimo existencial" para que possa se desenvolver e se realizar. Há, ademais, uma hierarquia natural entre os direitos humanos, de modo que uns são mais existenciais do que outros. E sua lista vai crescendo, à medida que a humanidade vai tomando consciência das implicações do conceito de dignidade da vida humana. Por isso, Tomás de Aquino, ao tratar da questão da imutabilidade do direito natural, reconhecia ser ele mutável, mas apenas por adição, mediante o reconhecimento de novos direitos fundamentais. Nesse diapasão seguiram as sucessivas declarações dos direitos humanos fundamentais (a francesa de 1789 e a da ONU de 1948), desenvolvendo-se a ideia de diferentes "gerações" de direitos fundamentais: os de 1ª geração, como a vida, a liberdade, a igualdade e a propriedade; os de 2ª geração, como a saúde, a educação e o trabalho; e os de 3ª geração, como a paz, a segurança e o resguardo do meio ambiente.
Ora, só se torna direito humano fundamental a garantia de um meio ambiente saudável, quando se toma consciência de que o descuido da natureza pode comprometer a existência do homem sobre o planeta. Assim, os direitos humanos de 3ª geração dependem necessária e inexoravelmente dos direitos de 1ª geração. Daí que, sendo o direito à vida o mais básico e fundamental dos direitos humanos, não pode ser relativizado, em prol de outros valores e direitos. Sem vida não há qualquer outro direito a ser resguardado.
Assim, a defesa do aborto, em nome da dignidade da pessoa humana, ao fundamento de que uma vida só é digna de ser vivida se for em "condições ótimas de temperatura e pressão" é dos maiores sofismas que já surgiram, desde os tempos de Sócrates, quando Cálicles tentava demonstrar, com sua retórica, que o natural era a prevalência do mais forte sobre o mais fraco. Não é diferente com aqueles que defendem o sacrifício de vidas inocentes, em nome quer da cura de doenças graves, quer do bem-estar psicológico da mulher.
Uma coisa é o sacrifício voluntário do titular do direito à vida, para salvar outra vida. Outra coisa bem diferente é a imposição do sacrifício por parte do mais forte em relação ao mais fraco, que não tem sequer como se defender, dependendo de que outros o façam por ele, por puro altruísmo (consola saber que 83% da população brasileira, em recente pesquisa jornalística, é contrária ao aborto de anencéfalos). Sempre pareceu um gesto de extrema covardia suprimir a vida nascente e indefesa, e mais ainda quando se procura revestir tal gesto de uma áurea de nobreza, em nome da dignidade. Seria o caso de perguntar àqueles que serão suprimidos se realmente não quereriam viver, nas condições que sejam. Do contrário, o que se está criando é a sociedade dos perfeitos, dos mais fortes e aptos, pura eugenia.
Desde a autorização para a instrumentalização de fetos humanos com vistas a pesquisas científicas (verdadeiras cobaias humanas, canibalizadas), passando pela discussão quanto ao aborto do anencéfalo (cujo índice de ocorrências subirá astronomicamente no caso de liberação, atestando-se anencefalia para toda criança indesejada), até se chegar ao aborto puro e simples, o caminho que vai sendo trilhado no desrespeito ao direito humano mais fundamental, sob o rótulo de se lutar por uma vida digna, faz com que as discussões judiciais sobre os demais direitos humanos passem a ser mera perfumaria em Cortes herodianas que já condenaram as mais indefesas das criaturas humanas. Daí a necessidade de se resgatar o conceito de dignidade da pessoa humana, limpando-o de matizações que acabam por reduzir a pessoa, de sujeito em mero objeto de direito alheio."